Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto 17, 2013

OS DOIS FERNANDOS

Estava chegando ao que seria minha casa. Estava anoitecendo. Esta minha casa ficava no final de uma larga rua. Vi que tinha muita movimentação perto de nossa casa. Quando fui chegando, uma pessoa veio até mim para dizer que o Fernando estava passando mal. Disse que eles deveriam estar enganados, pois estava com o Fernando e ele estava muito bem. Mas esta pessoa insistiu que era o Fernando e estava dentro da casa. Nisto o Fernando veio chegando e me perguntou o que estava acontecendo. Disse que ele estava passando mal dentro da casa. Ele então disse que estava ali e não podia estar dentro da casa. Nisto veio vindo duas pessoas carregando o Fernando. Fiquei assustado querendo saber como ele podia estar em dois lugares ao mesmo tempo. O Fernando ao meu lado disse apenas que aquele não era ele, pois ele estava ali.



NA SALA DE AULA

Estava no que seria uma sala de aula. Havia apenas a primeira fila de cadeiras escolares. No meio desta sala havia uma grande mesa retangular onde eu estava sentado em uma das cabeceiras da mesa. Do meu lado esquerdo havia um homem e na outra cabeceira uma mulher. Sentada na primeira cadeira escolar estava um mulher que deveria ter uns 25 anos. Esta mulher estava escrevendo algo. Era segunda feira. Estava sentando na cabeceira desta mesa, balançando muito as pernas e pensando no que eu tinha que fazer. Sabia que sempre tinha feito aquilo. Sabia que toda segunda feira eu exterminava uma pessoa com um golpe de espada. A pessoa que eu deveria exterminar naquele dia era a tal mulher que estava sentada na cadeira escolar. Sabia que era este o procedimento e que era assim que eu sempre fazia, mas não conseguia me lembrar de ter feito isto antes. Então comecei a pensar que eu não exterminaria a tal mulher, que eu deixaria viver, já que eu era quem decidia isto. Então fui começar o discurso q…

MULHERES ALIENÍGENAS

Estava em um local que parecia uma grande praça com algumas construções em volta. Era noite. Havia um helicóptero sobrevoando o local a minha procura e de outras pessoas que por ali estivesse. Este helicóptero era de alienígenas que queria exterminar todos os seres humanos. Eu me escondia deles. Neste helicóptero havia uma luz que iluminava boa parte desta praça. Eu corria entre as construções, porque em terra havia alguns alienígenas também. Estes alienígenas que estava em terra eram como as mulheres daqui mesmo. Só usavam uma roupa brilhante e um capacete tipo de motoqueiro e estavam armadas com uma arma que pulverizava em quem acertasse o laser que dela saia.  Vi uma destas mulheres alienígenas indo me procurar atrás de uma moita de bananeiras. Depois que ela saiu e viu que não tinha ninguém lá, corri e me escondi lá. Bem a minha frente havia uma construção que parecia um alpendre de casa, sem cobertura, apenas com aquela meia parede. Nisto sentaram naquela parede a Nathália e um h…