Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março 22, 2008

DORMINDO ACORDADO

Estava indo para a padaria. Mas eu ainda não estava dormindo totalmente. Eu podia ouvir o barulho que as pessoas do bar do Fernando faziam. Ai, eu então decidi mudar meu sonho. Então mudei de direção na rua e ia por onde eu quisesse, já que não estava dormindo totalmente ainda. decidi sair voando. mas ao tentar isto, ouvi alguem dizer que isto não podia. Só podia sair andando.

LIBERDADE, AINDA QUE POR INSTANTES

Estava viajando com o Gueds. A gente estava indo trabalhar numa cidade que ficava muito longe. Depois decidimos ir para uma praia. Eu coloquei a cabeça para fora da janela do carro e fui gritando “liberdade” várias vezes. A estrada onde a gente estava não passava nenhum carro. O Gueds corria muito. Gritei novamente "Liberdade". Quando chegamos no que seria a praia, era na verdade a filial da empresa onde a gente trabalhava. Então eu disse que a liberdade tinha durado pouco.

LANTERNA PARA VER TELEVISÃO

Estava numa casa, havia várias pessoas lá. Eu queria ir para meu quarto, mas eu não o encontrava. Nisto encontrei o quarto. Então fui arrumar minha cama. Percebi que tinha dois travesseiros a mais lá. Depois que arrumei e me deitei, vi que o Ricardo meu irmão, estava deitado nele também. Então eu disse que não dava para nós dois dormir ali, que era para ele ir para a cama dele. Ele disse que não, porque tinha que ver TV e a televisão ficava bem acima da minha cama. Eu olhei para cima e vi a TV pendurada numa altura de uns 10 metros. O telhado da casa, era como se fosse um alto galpão. O Ricardo então, com uma lanterna na mão, iluminava a TV para ele poder assistir.

PULANDO POR CINCO CENTAVOS

Estava em cima de um beiral de uma casa, que dava para o passeio da rua. Este beiral tinha uns 15 centímetros de largura só. Eu estava meio que agachado, em cima dele, bem encostado na parede, com medo de cair. Nisto, a metade deste beiral caiu, ficando apenas o pedaço onde eu estava. Eu fiquei tentado pular. Mas era bem alto e eu tinha medo de quebrar minhas pernas ao cair. Mas eu fechei os olhos e pulei. Quando abri os olhos, já estava lá em baixo, nem me vi pulando e não senti nada. Achei que deveria ser assim mesmo. Nisto vi uma pratinha de dez centavos e outra de cinco. Coloquei ambas no meu bolso, onde eu já tinha várias de um real. Fui indo embora, quando um homem veio atrás de mim, perguntando se eu tinha pegado o dinheiro do bar dele. Eu disse que não. Ele então ficou tentando enfiar a mão dele nos meus bolsos, para ver se o dinheiro estava lá. Eu tentava evitar, mas ele ficava tentando assim mesmo. Eu temia que se ele achasse os quinze centavos, poderia dizer que tinha sido…

TREMENDO COM O RAIO

Estava sentado ao computador. De repente o computador apagou tudo. Minha boca começou a tremer e eu quase não conseguia mexer. Eu olhei para o Fernando, que estava jogando vídeo game, e ele estava do mesmo jeito que eu. Então, com dificuldade e sem conseguir mexer, eu fiquei dizendo que era um raio que tinha caído. Comecei a melhorar, mas foi piorando novamente. Eu continuava dizendo que era um raio. Fui melhorando e piorei de novo.