domingo, 9 de janeiro de 2011

ESTRADA DE FERRO NA MINHA CASA



Estava no meu quarto, deitado para dormir, quando ouvi o apito da locomotiva. Levantei, cheguei à porta do meu quarto e vi que a locomotiva vinha longe. Então abri a porta do meu quarto e abri também a porta do meu quarto, que dava para o que seria uma varanda. Mas não era uma varanda, e sim, outra saída. Abri as duas portas, para que a locomotiva pudesse passar. Fiquei imaginando que se eu não abrisse, ela bateria na porta, que já tinha sido feito para isto mesmo, mas poderia estragar. Sai do quarto, dizendo para meu pai que a locomotiva estava vindo. Fiz isto porque, os trilhos da locomotiva, passavam dentro de nossa casa. Os trilhos entravam pela sala, passando pela copa e entrando no meu quarto, saindo por aquela porta que seria da varanda. Então meu pai disse que a locomotiva não passava mais dentro de casa. Fui até La fora conferir, vi que os trilhos que vinha até nossa casa, tinha sido cobertos pelo asfalto. Entrei em casa e vi que na sala copa e meu quarto, eles ainda estavam lá. Perguntei meu pai, se a locomotiva não passava mais ali, porque ele não tinha tirado os trilhos de nossa casa. Ele então disse que era para lembrar os bons tempos em que a locomotiva passava ali dentro. Então fiquei lembrando, de quando ela apitava para a gente sair da frente e abrir as portas, para ela passar. Lembrei que muitas vezes, eu estava dormindo e ela passava pelo meu quarto. Então disse ao meu pai que aqueles tempos bons, bem que poderiam voltar.

MEDINDO A QUALIDADE DO AR



Estava num local, que seria uma empresa. Estava montando o aparelho para medir a qualidade do ar. Nisto chegou perto de mim, uma pessoas, me dizendo que se eu quisesse tomar café, era só ir até a sala do chefe. Ele me mostrou o caminho, que era só seguir por uma pequena estrada que acompanhava um galpão. Ele falava comigo e eu tentava não me segurar para não ficar rindo. Pois a tal pessoa era gaga. Depois que ele saiu, fiquei rindo e tentando entender, porque eu teria que tomar café tão distante, se tinha um escritório ali perto de mim. Então entendi que eu estava prestando serviço para o departamento de eletricidade da empresa, por isto, teria que ir tomar café naquele setor. Continuei montando o equipamento, até que terminei. Quando terminei, percebi que tinha montado o equipamento muito longe de onde eu iria medir a qualidade do ar. Fiquei tentando encontrar um jeito de levar o equipamento sem desmontar. Mas vi que não tinha jeito, teria que desmontá-lo e montar no local que faria a medição.