domingo, 7 de dezembro de 2014

"IGATU" NA BAHIA EH UMA CIDADE FEITA DE PEDRAS EM MEIO A VALES PROFUNDOS, CHAPADÕES, VENTO ZUNINDO E SOM DOS BICHOS QUE DÃO VOZES ÀS PEDRAS






SEJA BEM VINDO AO DISTRITO DE IGATU. A CIDADE DE PEDRAS
foto - PIC
IGATU TEM 373 HABITANTES - FONTE: AMARILDO DOS SANTOS
QUEM NASCE EM IGATU EH: IGATUENSE
O DISTRITO FOI FUNDADO EM APROXIMADAMENTE 1.840
ORIGEM DO NOME
"Igatu" é um termo de origem tupi, significando "rio bom", através da junção dos termos 'y (água, rio) e katu (bom)
HISTÓRIA
Acredita-se que Igatu ou Xique-xique (como era conhecida) foi descoberta por volta de 1840, por garimpeiros e eles é que fizeram as obras em pedra que você pode encontrar por lá. Foi um século de exploração e riqueza e a decadência no século 20, quando a maioria das casas foi abandonada. Os próprios garimpeiros chegaram a destruir ruas inteiras em busca dos últimos diamantes o que deu início aos cerca de 7 km de ruínas que hoje podem ser visitadas.
AQUI O CRUZEIRO NO PONTO MAIS ALTO DO DISTRITO
foto - Killiefã
IGREJA DO PADROEIRO LOCAL, SÃO SEBASTIÃO
Feita em pedra. Segundo Taramba, ela foi construída por um garimpeiro que fez promessa para achar muito diamante. Ao lado e na frente do templo, um cemitério, onde está sepultado o corpo do coronel Antônio Gondim, que "comandava o garimpo em Igatu e outros garimpos da região". Onde funciona a pousada Pedras de Igatu, a única da vila, era a casa do coronel, que foi adaptada.
foto - Roldão M.
foto - Aureo Kiko
CONHEÇA UM POUCO MAIS DESTE DISTRITO QUE EH UMA LENDA VIVA
foto - ?
IGATU é uma verdadeira cidade de pedra. "Sagrada" pra quem viveu lá durante o auge do ciclo do diamante. Hoje não há farmácias, o hospital mais próximo fica em Andaraí, a 12 km. Em outros tempos quem diria? Cabarés, cassinos, lojas, cadeia, cartório, cinema... Hoje, as mais belas cachoeiras, formações rochosas, rica história, hospitalidade e um pouco da cultura nacional.
Em alguns bares você encontra alguns analgésicos. Há uma pequena mercearia, mas não mercado. Para comprar pães vá à casa de uma moradora, perto do Ponto do Amarildo.
foto -?
foto - PIC
foto - PIC
ONDE COMER:
POUSADA PEDRAS DE IGATU
Pra quem ficar hospedado, um excelente café da manhã. No local também funciona um restaurante que serve diversos pratos e lanches. O espaguete (prato mais barato do local) serve duas pessoas e é uma delícia.

RESTAURANTE DA NORMA
Fica na rua principal da vila.

PIZZARIA
Em frente a praça. É a única da vila, de propriedade de um argentino. Também vende camisetas, mapas e outros souvenirs.

CASA DO JOÃO TARAMBA
Na sala da casa simples, a mãe do João serve a refeição preparada mediante pedido antecipado. (Se quiser jantar lá, combine o preço e o prato pela manhã).
foto - Ricardo Bevilqua
TOCA DO JOAQUIM
foto - Mark Mesquita
foto - Planetair
ONDE FICAR

POUSADA PEDRAS DE IGATU
Rua São Sebastião, s/n.
Além de pousada e restaurante, também conta com alguns souveniers para venda.

ESTALAGEM GOTA D'ÁGUA
Praça Central, S/N

POUSADA E CAMPING FLOR DE ACUNENA
Rua nova s/n. Vila de Igatu - Andarai
foto - Roldão M.
foto - P. Carvalho
foto - P. Carvalho
foto - Roldão M.
QUEM VAI À IGATU NÃO PODE DEIXAR DE DAR UMA PASSADA NAS CASAS DE DUAS PERSONALIDADES LOCAIS:

LINDAURA NASCIMENTO MOURA
Filha de Alzira Nascimento, já falecida, uma das mulheres do garimpo. A casa foi a primeira a receber turistas na vila e tem algumas peças antigas e o que dizem ser amostras de diamantes. O café com bolinho de chuva e a folheada no álbum de fotos da casa são boa pedida, além da possibilidade de comprar algum souvenir produzido por Lindaura e família: lindas miniaturas de igrejas e casas, trabalhadas na pedra e bolsas, tapetes e acessórios em crochê. A casa fica na rua 7 de setembro.

AMARILDO DOS SANTOS
Criatividade é a marca deste professor, atualmente comerciante e escritor. A placa da fachada de seu estabelecimento, que também é sua casa (onde vive com a mulher e uma filha) já mostra um pouco da criatividade: "Ponto: Entre e compre algo (...)" Essa placa ficou famosa na web e apareceu em um dos programas do Jornalista José Simão da FOlha de São Paulo, O Monkey News. Em seu bazar é possível comprar licores dos mais variados sabores e os interessantes livros que Amarildo escreve à mão, com caneta azul e vermelha, no maior capricho. Vale comprar um como lembrança (e por que não leitura, fonte de pesquisa?) de uns dos lugares mais inusitados do país. No ponto do Amarildo também é possível ver fotos dos famosos que já estiveram por lá, os autógrafos, revistas etc.
foto - Roldão M.
foto - Mark Mesquita
foto - Mark Mesquita
foto - Fernando Stankuns
foto - Fernando Stankuns
foto - Caio Graco Machado
foto - Alex Uchoa
foto - ?
foto - ?
foto - ?
CACHOEIRA DOS POMBOS OU CÓRREGO DO MEIO
Uns trinta minutos, a partir do centro pra se chegar num lugar ótimo pra se refrescar. A queda d'água forma umas "banheiras" de pedra. De vez em quando os locais fazem pique-nique por ali.
foto - Mark Mesquita
foto - PIC
foto - Killiefã
DICAS
Para qualquer passeio que vá fazer pela região leve muita água, proteja-se do sol (boné, filtro solar) e vá com roupas leves e calçado confortável. O clima em Igatu engana: pela manhã chega até ser frio, quando chega às 10h o calor já está insuportável. De novembro a janeiro é a época de chuvas.

ATRAÇÕES
Pra conhecer os atrativos da vila, bom mesmo é ser guiado por um nativo. Nada mau um que dá até nome à cachoeira, o João Taramba, "nascido e criado dentro de Igatu". Ele trabalha guiando os visitantes há doze anos.
foto - Muricio F. Pinho

foto - Roldão M.
foto - Roldão M.
Igatu fica na Serra do Sincorá, seu "desenho" é de infinita beleza, como toda a Chapada Diamantina: vales profundos, chapadões o verde misturado ao cinza, marrom e rosa da secura do sertão. O vento zunindo e o som dos bichos parece dar voz às pedras. Debaixo de sol escaldante só os calangos, encontrados aos milhares, têm fôlego pra correr.
foto - Roldão M.
RAMPA DO CAIM
Cerca de três horas caminhando para se chegar a um local que dá uma das vistas mais espetaculares do Vale do Pati e os rios Paraguaçu e Preto, ambos com suas águas escuras. A trilha é boa e a chegada nem se fala, mas é preciso estar muito "zen" pra curtir a trilha. É preciso estar muito atento, pois há muitas pedras soltas e escorregadias e um tombo ali não ia ajudar em nada. A chegada pede um ou mais minutos de silêncio (contemplação, agradecimento a Deus, é pra ouvir o silêncio e a grandiosidade da natureza). Dalí é possível seguir adiante, fazendo uma trilha que passará pelo Pati, Capão e Palmeiras, outras áreas imensamente lindas da Chapada Diamantina. A Rampa do Caim e a trilha estão sendo exploradas também por agências locais.
foto - ?
Textos: Silnei
Fonte: Mochileiros.com







VALEU SEMPRE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TORNANDO A VIDA POSSÍVEL