5 cidades submersas - Devido a terremotos, vulcões e maremotos




As cidades submersas antigas passou a viver, principalmente, na imaginação das pessoas. 


01 - ALEXANDRIA, EGITO
Fundada por Alexandre, o Grande, em 331 Antes de Cristo
Por mais de mil anos o antigo centro de Alexandria permaneceu enterrado. Desde que ondas e terremotos enviaram seu afamado farol e sua biblioteca para o fundo do Mediterrâneo, a cidade antiga passou a viver, principalmente, na imaginação das pessoas.
Como parte da cidade submergiu, nas últimas décadas os arqueólogos têm escavado em terra e feito pesquisas submarinas e as dificuldades são muitas porque a moderna Alexandria foi construída sobre as ruínas da velha cidade.
Algumas das seções mais interessantes da magnífica cidade, incluindo o Palácio de Cleópatra na Ilha de Antirhodos, ficaram submersas por maremotos e terremotos mais de 1200 anos atrás.
Fundada por Alexandre, o Grande, em 323 a.C., foi governada pelos Ptolomeus e caiu em poder dos romanos em 31 a.C. Nos 300 anos que se seguiram Alexandria foi relegada à situação de província imperial romana.
Perdendo gradualmente contato com a grandeza de seu passado grego, quando cientistas do calibre de Euclides e Eratóstenes lá estudaram e ensinaram. Seu principal produto de exportação deixou de ser a ciência e passou a ser os cereais e saques sucessivos arruinaram sua beleza.



02 - HERACLEION (Também conhecida como THONIS), EGITO
Fundada no século 8 Antes de Cristo
Foi há 1200 anos que a cidade egípcia de Heracleion desapareceu, engolida pelas águas do Mar Mediterrâneo. Conhecida pelos gregos como Thonis, ela acabou sendo quase esquecida pela própria história – agora uma equipe de arqueólogos está escavando e desvendando seus mistérios.
O arqueólogo subaquático Franck Goddio e o Instituto Europeu de Arqueologia Marítima redescobriram a cidade em 2000 e, durante estes 13 anos, têm achado verdadeiras relíquias incrivelmente bem preservadas.
Esta ruína foi descoberta em 2000 pela Equipe IEASM (Institut Européen d’Arqueologia Sous-Marine). Antes da fundação de Alexandria, era o porto mais importante do Egito. E foi afundado no século 8.
Afinal o mito de Thonis-Heracleion era real, só estava ‘adormecido’ à 30 pés abaixo da superfície do Mediterrâneo, em Abu Qir Bay, no Egito.
Segundo os arqueólogos, eles estão somente no começo da pesquisa. Eles vão precisar de pelo menos mais uns 200 anos para descobrir toda a magnitude de Thonis-Heracleion.





03 - CANOPUS, EGITO
Na periferia leste de Alexandria moderna
Canopo ou Canopus é uma cidade portuária do Antigo Egito situada na região oeste do Delta do Nilo e ligada às cidades vizinhas como Heracleion, o porto aduaneiro, e provavelmente à Alexandria por canais. O nome "Kahnub" foi um apelido da cidade por sua abundância, originalmente chamada "peguat" (em hieróglifos)
Mencionada pela primeira vez no século 6 aC, Canopus era conhecida pelos santuários de Osíris e Serápis.
Era situada em cercanias do porto moderno do Alexandria, 25 quilômetros do centro de aquela cidade e dois ou três quilômetros de Abukir. A cidade antiga cumpriu a função do porto principal egípcio até a fundação de Alexandria em século IV a.C.
Suas ruínas estão localizadas em ilha sedimentar ocidental do delta, em desembocadura do braço localizado no extremo Oeste da formação fluvial, também chamado braço Canópico, Canóbico ou Hereaclótico, um dos sete braços antigos do Nilo (o Canópico, o Bolbitínico, o Sebenítico, o Bucólico ou o Fátnico, o Mendésico, o Tanítico (seco no século IX a.C.) e o Pelúsico (coberto com areia no século XII a.C.)).



04 - YONAGUNI, JAPÃO
Místicas estruturas de pedra na costa do Japão, descobertas por um mergulhador local, em 1986
Uma cidade de 5.000 anos de idade, afundada por um terremoto 2.000 anos atrás. Tinha uma incrível pirâmide monolítica, um castelo, cinco templos, um arco triunfal e pelo menos um grande estádio – tudo ligado por estradas e canais de água, de acordo com Masaaki Kimura, geólogo marinho da Universidade de Ryukyu, no Japão.
Desde 1995, mergulhadores e cientistas japoneses estudam uma das mais importantes descobertas arqueológicas do planeta. Localizada a alguns km da ilha de Yonaguni, encontram-se os pressupostos resto submersos de uma antiga cidade. Estudos geológicos calcularam a idade destes monumentos como tendo entre 8.000 e 11.000 anos de idade, o que os coloca como uma das edificações mais antigas do planeta.
Localizadas no ponto mais oeste do Japão, as ruínas de Yonaguni ainda estão envolvidas em mistérios sobre os quais autoridades científicas mundiais ainda não conseguem entrar em acordo. A estrutura é composta por enormes lajes com vastos terraços planos, alinhadas em ângulos perfeitamente simétricos. Também é possível detectar a existência de canais que eram utilizados para transporte de água e resquícios do que poderia ter sido uma via pública.
Segundo um grupo de cientistas japoneses liderado por Masaaki Kimura, estas estruturas foram criadas pelo homem não excluindo qualquer possibilidade de Yonaguni ter sido uma obra fortuita da natureza como os mais cépticos cientistas afirmam. No total, as ruínas cobrem uma área medindo 300 por 150 metros.




05 - CIDADE DE BAIAE (também conhecida como Campania),

Baiae foi saqueada por invasores muçulmanos no século 8, e foi totalmente abandonada por causa de uma epidemia de malária por volta de 1500. A maioria dos edifícios estão agora debaixo da água, devido à atividade vulcânica local.


VALEU POR VIAJAR COM A GENTE - SEMPRE VOLTE





fonte/fotos: Mistérios do mundo.com / Thymonthy Becker / Divulgação / 


 Você também pode gostar:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TORNANDO A VIDA POSSÍVEL