sábado, 6 de dezembro de 2014

V.I.L.A.F.C.D.F.C.M. / INÍCIO OU FIM?






foto - ?
Enquanto estou aqui, fico procurando pelo meio de fazer a V.I.L.A.F.C.D.F.C.M de volta. Não existe outra forma de se voltar senão pela vilafcdfcm. A não ser que existe uma outra forma aqui, que os próprios daqui desconhece e eu possa descobrir.
Acredito que eles estão muito longe de uma descoberta deste porte, visto não terem descoberto, ainda, a vilafcdfcm. Se nem eu que sou de lá sei de outra forma é pouco provável que os daqui sequer imaginem algo desta natureza. Os daqui ainda vivem na época onde quase tudo é impossível. Qualquer coisa que seu cérebro não seja capaz de entender, para os daqui é sempre impossível.
Pelos meus cálculos os daqui estão atrasados aproximadamente uns cinco mil anos em relação a capacidade neuro. Isto numa previsão otimista.
O que me leva a perceber que estando aqui, atrasei os mesmo prováveis, cinco mil anos. Poderia dizer que voltei a cinco mil anos atrás apenas na capacidade neuro enquanto o restante, aparentemente, é superficialmente, parecido.
Tantos lugares que eu poderia ter chegado, involuntariamente, como ocorreu, talvez cinco mil anos a minha frente, mas tive que ver para o retrocesso neuro. E se ficar por aqui muito tempo, acredito que acabarei me tornando com um daqui, no que diz ao aspecto neuro, porque o restante, visivelmente, não há diferença. 
Ou, posso esquecer as regras, se é que posso fazer isto, e passar o conhecimento para os daqui.
Ai poderia acontecer duas coisas, os daqui assimilariam toda a informação e faria o uso dela para avançar, ou a assimilação não aconteceria e num refluxo neuro por incapacidade neural que os daqui possuem, possa gerar um colapso neuro que tornaria a capacidade neuro quase que inativa. Trazendo os daqui de volta ao início do sistema neuro. E isto seria como uma explosão crosmocópica na atividade neuro dos daqui.
Mas terei, um dia, que tomar uma decisão. 
Ou iremos todos para frente, ou voltaremos todos ao início do fim.


VALEU SEMPRE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TORNANDO A VIDA POSSÍVEL