Pular para o conteúdo principal

AS CRIANÇAS, OS PEIXES E AS GALINHAS






Estava no quintal do que seria minha casa, Casa que ficava além da rua Rio de janeiro no bairro Sidil.
foto - ?
Este quintal era grande e tinha no final dele uma coberta onde tinha um grande tanque de água. Este tanque deveria ter uns cinco metros por três e um metro de altura. dentro deste tanque de água havia muitos peixes de várias espécies. Eram bastantes mesmo e se podia vê-los nadando quase que se amontoando uns aos outros. No lado deste tanque, também debaixo desta coberta havia um vão livre. Na parede deste vão vi vários insetos gigantes, que deveriam ter uns dez centímetros de comprimento, Estes insetos tinham a forma de jacarés, lagartos e bois, Eu tentava com um pano fazer com que estes insetos que estavam saindo da parede fossem embora, mas os insetos voltavam para dentro do buraco na parede. 
foto - ?
Sai dali e fui para o outro lado do quintal, onde estava a casa. Ali próximo a casa tinha uma abertura que ficava no muro lateral, uma vez que a entrada da casa era na outra rua, visto ela estar na esquina. Esta abertura, que deveria ter uma metro de largura, tinha um muro de uns cinquenta centímetros de altura. Então ficava fácil passar por ali, era só pular o pequeno muro da abertura. Nisto chegaram três crianças. Duas deveriam ter uns dez anos e a outra uns cinco anos. Eles chegaram nesta abertura no muro e ficaram me olhando como quem queria entrar, mas estavam com receio. Nisto a criança de cinco anos entrou correndo dizendo que ia pegar peixes. Eu a chamei de volta e disse que eu estava morando ali e ninguém mais iria pegar peixes ali. Uma das crianças disse que a mãe deles tinha pedido para eles virem pegar peixe para o almoço. Mas eu não deixei porque agora estava morando ali. Eles foram embora. 
foto - ?
Nisto vi chegando até minha casa, voando, várias galinhas e um peru. Pouco antes daquele tanque e de frente a parte vazia daquela cobertura tinha uma espécie de galinheiro. Este galinheiro, que na verdade eram vários ninhos de galinha, ficava a uns dois metros do chão e era coberto, mas todo aberto nas laterais. Fui até este galinheiro tentar espantar aquelas galinhas. Mas elas estavam indo ali só para porem ovos. O peru e outras galinhas aguardavam as primeiras colocarem ovos para depois eles o fazerem. Deveria ter ali umas cinquenta galinhas. Voltei até próximo aquela abertura na parede, onde estavam ali minha esposa, que não era a Iara e meus dois filhos. Falei com minha esposa que deveria ter muitos ovos ali, devido a quantidade de galinhas. Ela, que lavava alguma coisa no tanque que tinha ali encostado na parede da casa, disse que eram 180 ovos.
Fui pela lateral da casa até a frente desta, para ver as horas no relógio do santuário, visto que eu não queria perder a hora de trabalhar. Mas de lá eu não conseguia ver o relógio do santuário. Então procurei me localizar para saber que caminho deveria tomar para ir trabalhar, visto ser a primeira vez que estava ali. Pensei que deveria seguir pela direita até a Rua Rio de Janeiro e depois viraria para a esquerda e chegaria na empresa onde trabalho. Voltei para o quintal perto daquela abertura na parede e onde estava a minha esposa, que não era a Iara, lavando alguma coisa no tanque. Os dois filhos meus estavam ali brincando. Perguntei minha esposa se ela estava com as chaves da casa. Ela disse que sim e que não. perguntei novamente, mas não entendi o que la tinha dito. Então disse para ela decidir se estava com a chave ou não, porque eu queria entrar dentro da casa para ver as horas. Ela disse que não estava com as chaves. Ao lado de minha esposa tinha uma amiga dela. Minha esposa então perguntou a esta amiga se ela sabia as horas. Ela disse que calculava as horas pelo horário que o marido chegava em casa para o almoço. Ele tinha chegado tinha uma meia hora e então deveria ser dez e meia.
foto - ?
Então vi que estava muito atrasado porque meu horário era oito horas. Quando fui sair por aquela abertura para ir trabalhar vi que tinha um portão de madeira que abria de lado e que fechava aquela abertura. Assim sendo não precisava fazer o portão, era só fechá-lo para que ninguém entrasse ali.  Coloquei nas costas o que seria minha mochila. Era uma tábua que deveria ter uns cinquenta centímetros por trinta centímetros. Estava pesada, mas sai correndo em direção a Rua rio de Janeiro. Correndo com aquela tábua nas costas, passei por aquelas crianças que queriam  pegar peixes no tanque de minha casa. Continuei correndo imaginando chegando atrasado no serviço, coisa que nunca tinha acontecido comigo antes.

APAIXONE-SE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CORRENDO VELOZMENTE DO BICHO ESTRANHO

Estava numa estrada comprida e reta, cercada de mato em ambos os lados. Nisto veio um bicho em alta velocidade. Alguém gritou para sair da frente, porque o bicho era muito feroz. Então dei um pulo e ele passou rapidamente. Sai correndo atrás do bicho, tão rápido quanto ele ia. Depois o bicho mudou de direção, vindo correndo atrás de mim. Sai correndo velozmente, mas o bicho estava me alcançando. Então pensei que era só voar que ele não me pegaria. Dei um grande salto e sai voando. Nisto vi o bicho passando logo abaixo de mim. Via só a poeira que ele fazia. O bicho mesmo não via. Fiquei pensando que ainda bem que o tal bicho não voava, senão estaria perdido.

ZIQUINHO, O POLVINHO DIFERENTE

NO FUNDO DE UM MAR BRAVIO, NO PORÃO DE UM NAVIO, QUE NAUFRAGOU POR LÁ.
DONA POLVA ESTÁ CONTENTE, SEU MARIDO IMPACIENTE, POIS SEUS FILHOS VÃO CHEGAR.

NAQUELE MESMO DIA, DURANTE UMA CALMARIA, DE UMA TARDE DE VERÃO.
NASCERAM OS POLVINHOS, QUE CHEGARAM DE MANSINHO, PARA ORGULHO DO PAIZÃO.

NASCERAM OS POLVINHOS, QUASE TODOS IGUAISZINHOS, SE NÃO FOSSE UM DOS IRMÃOS.
ENQUANTO SETE DOS POLVINHOS ERAM TODOS IGUAISZINHOS, UM SÓ ERAM BRANCÃO.

POR SER TÃO DIFERENTE, DERAM-LHE O NOME DE GENTE, ÀQUELE POLVINHO ENGRAÇADO.
POR SER TÃO BRANQUINHO, E BASTANTE MIUDINHO, DE ZIQUINHO FOI CHAMADO.

ENQUANTO TODA TURMINHA, VINHA PELA TARDINHA, E NO NAVIO BRINCAVA.
ZIQUINHO TRISTE SENTADO, SENTINDO-SE REJEITADO, NÃO SE CONFORMAVA.

MAS O SÁBIO PROFESSOR, QUE ENTENDIA TUDO DE COR, ERA UM GRANDE TUBARÃO.
PROCUROU POR ZIQUINHO, E LHE DISSE BEM BAIXINHO, TER ENCONTRADO A SOLUÇÃO.

“ZIQUINHO VOU LHE DIZER TUDO QUE TENS A FAZER, PARA PRETINHO FICAR”
“TOME CUIDADO COM A ARRAIA, NADE ATÉ UMA PRAIA E DEIXE O SOL TE QUE…

VIÇOSA / MG - CIDADE UNIVERSITÁRIA E JOVEM

SEJA BEM VINDO A CIDADE DE VIÇOSA. UMA CIDADE JOVEM E CULTA
foto - ?
VIÇOSA TEM UMA POPULAÇÃO É DE 72.244 HABITANTES, ALÉM DE UMA POPULAÇÃO FLUTUANTE DE APROXIMADAMENTE 20.000 PESSOAS, COMPOSTA PRINCIPALMENTE DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA E OUTRAS INSTITUIÇÕES. QUEM NASCE EM VIÇOSA EH: VIÇOSENSE HISTÓRIA
TRATA-SE DE UMA CIDADE ESSENCIALMENTE UNIVERSITÁRIA, COM DESTAQUE PARA A UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, CONTA AINDA COM OUTRAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PRIVADAS COMO ESUV, FDV, UNIVIÇOSA, UNOPAR, ACENTUANDO AINDA MAIS O CARÁTER EDUCACIONAL DA CIDADE. A HISTÓRIA DE VIÇOSA SE INICIA, PROPRIAMENTE, NO SÉCULO XIX. FOI EM 1800, SEGUNDO APONTAMENTOS ECLESIÁSTICOS QUE O PADRE FRANCISCO JOSÉ DA SILVA OBTEVE DO BISPADO DE MARIANA PERMISSÃO PARA ERIGIR UMA ERMIDA EM HOMENAGEM A SANTA RITA DE CÁSSIA, NA REGIÃO QUE HOJE ABRANGE O MUNICÍPIO. A CONSTRUÇÃO DA ERMIDA E A FERTILIDADE DAS TERRAS ATRAÍRAM HABITANTES DE MUNICÍPIOS VIZINHOS, PRINCIPALMENTE DE MARIANA, O…