quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

AMÉRICA MINEIRO










Estava num local, que parecia um descampado. Eu estava ao lado de um muro que tinha aproximadamente uns 3 metros de altura. E acima do muro havia uma cerca de arames que ia tão alto que eu não conseguia ver. Este muro tinha alguns intervalos que, no lugar do muro, tinha a tal cerca de arames, que ia de cima a baixo. Havia uma pessoa comigo, que não sei quem era. Eu usava uma camisa de algum clube de futebol, com um escudo no peito. Não sei qual clube era. Do outro lado do muro, havia dois homens que queria minha camisa. Eles me olhavam por esta cerca de arames. Eu corri bem rápido, acompanhando este muro, e eles me acompanhavam também. Eu voltei para onde eu estava e eles continuavam me olhando. Então eu tirei a camisa e pulei no alto do muro, segurando na cerca que tinha acima dele. Os dois homens também pularam e agarraram a camisa. Eu segurava de um lado e eles do outro. Então eu disse que daria a camisa a eles. Eu subi uma rampa e em cima estava a Rita. Ela segurava uma varinha na mão e ficava riscando o chão. Eu vi duas bacias num canto e toda cheia de teia de aranha. Havia vários fios da teia, que parecia uma corda. Então eu disse para a Rita que não tinha como tirar as bacias, porque as teias estavam muito fortes. Ela riu e disse que depois limpava a casa. Ela então me disse que precisa de um dinheiro. Eu disse que se ela estivesse dito antes, eu teria arrumado, mas eu tinha gastado o dinheiro com outra coisa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TORNANDO A VIDA POSSÍVEL