Pular para o conteúdo principal

CACHOEIRA PONTE DE FERRO / MINAS GERAIS - PARAÍSO DOS PESCADORES







SEJA BEM VINDO A COMUNIDADE CACHOEIRA PONTE DE FERRO. UM POVOADO QUE FOI O PARAÍSO DOS PESCADORES. AGORA EH UM PARAÍSO DOS MORADORES.
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
O POVOADO DE CACHOEIRA PONTE DE FERRO PERTENCE A CIDADE DE DIVINÓPOLIS, NO CENTRO OESTE DO ESTADO DAS MINAS GERAIS.
POSSUI APROXIMADAMENTE 40 HABITANTES (FONTE: MORADOR)
O POVOADO FICA AS MARGENS DA BR 494 ENTRE DIVINÓPOLIS MARILÂNDIA.
CACHOEIRA PONTE DE FERRO ESTA À 770 QUILÔMETROS DE BRASÍLIA (DF)
À 140 QUILÔMETROS DA CAPITAL MINEIRA (BH)
E À 10 QUILÔMETROS DE DIVINÓPOLIS.
Fonte: Google Mapas
AS MISSAS NESTE POVOADO SÃO CELEBRADAS UMA VEZ POR MÊS. SEMPRE NA SEXTA FEIRA POR VOLTA DO DIA 20.

TODOS OS ANOS, NO DIA DE SÃO PEDRO (29 DE JUNHO) OU NO PRIMEIRO SÁBADO APÓS ESTE DIA, SE O MESMO NÃO CAIR NO SÁBADO, ACONTECE AQUI AS BARRAQUINHAS E QUERMESSES.

TEM CONCURSO DE DANÇAS, COMIDAS TÍPICAS, QUADRILHAS E MUITAS OUTRAS ATRAÇÕES.
VALE A PENA VOCÊ VIR AQUI E CONHECER ESTA COMUNIDADE QUE FICA AS MARGENS DA RODOVIA BR 494 PRÓXIMO A DIVINÓPOLIS NO SENTIDO PARA MARILÂNDIA, CARMO DA MATA  E OLIVEIRA.
AQUI PODEMOS VER A IGREJA DO CRISTO REI.
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
ESTE EH O INTERIOR DA IGREJA DO CRISTO REI.
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
A IMAGEM DO CRISTO REI
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
AQUI O ALTA DA IGREJA
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
AQUI O LOCAL ONDE SE FAZ APRESENTAÇÕES QUANDO DE FESTAS REALIZADAS NO POVOADO.
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
AQUI O PESSOAL FAZ AS BARRAQUINHAS, QUERMESSES, DANÇA QUADRILHA E OUTRAS FESTIVIDADES QUE GERALMENTE OCORREM EM JUNHO.
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
O CARRO DO BATENTE NA AVENIDA DE ACESSO A IGREJA
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
A AVENIDA DE ACESSO A IGREJA E AO SALÃO DE FESTAS.
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
A AVENIDA SAINDO PARA A BR 494
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
A IGREJA NO CONTEXTO DA PRAÇA QUE A CERCA
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
AQUI A SAÍDA DO POVOADO PARA A BR 494 NO SENTIDO OLIVEIRA
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
AQUI PODEMOS VER ALGUMAS CASAS DO OUTRO LADO DA BR
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
AQUI A RUA DE ACESSO AS RESIDÊNCIAS DO POVOADO
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
EH EM MEIO A ESTA PAISAGEM QUE O PESSOAL DAQUI MORA. MUITO LEGAL.
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
AQUI O PONTO DE ÔNIBUS DO POVOADO
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
UMA DAS RESIDÊNCIAS DO LOCAL
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
CASAS ENTRE ÁRVORES
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
RUA DE ACESSO AO RIO 
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
OUTRAS CASAS DO LOCAL
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
AS ÁRVORES COMO SE FOSSEM GUARDIÕES DA ESTRADA
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
UM JARDIM DO LADO DE FORA DO MURO
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
A BR 494 PASSANDO PELO POVOADO
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
AQUI UMA PEQUENA PRAÇA
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
O TELEFONE COMUNITÁRIO
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
AQUI A SEDE DO CONSELHO COMUNITÁRIO RURAL DO POVOADO E A PRAÇA EM VOLTA DESTE.
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
AQUI O CACHORRO EH BRAVO.
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
A SEDE DO CONSELHO NOVAMENTE.
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
ESTA EH A CENA NA FRENTE DO CONSELHO COMUNITÁRIO RURAL.
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
OLHA O CARRO DO BATENTE NA PRAÇA DO CONSELHO COMUNITÁRIO.
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
AQUI A RUA DE ACESSO AO CONSELHO COMUNITÁRIO
fotu - Thymonthy Becker Comunicação
 INTÃO OÇE ACABÔ DE CONHEÇE O POVOADO DE CACHOEIRA PONDIFERRO.
ANTIGAMENTE ERA CUNHECIDO SÓ DE PONDIFERRO.
US PESCADÔ VINHA MUITAQUI PESCA. DAVA MUITO PEXE.
ERA CUNHICIDO COMO PONDIFERRO, PURQUE TINHA UMA PONDIFERRO QUI PAÇAVA O TREM DI FERRO. OS PESCADÔ PESCAVA DI BAXO DELA. 
MEU PAI ERA UM QUI IA PESCA AQUI QUAIS TODA SEMANA.
I AS VEZES ELE TRAZIA A GENTE. A GENTE ERA EU E UM OU DOIS IRMÃO MEU. NOIS ERA DIZOITO IRMÃO, MAIS ELE SÓ TRAZIA UNS TREIS IRMÃO MAIS MINHA MÃE.
A GENTE VINHA DI BISCLETA. UM DIRIGINDO, OTRO NA GARUPA E OUTRO NO QUADRO.
A GENTE PARAVA DI VEIZ IMQUANDO PORQUE A PERNA FICAVA COM FURMIGUINHA. AI TINHA QUI DEÇE. E A GENTE CUSTAVA A FICA IMPÉ.
A GENTE IA PELA LINHA DO TREM, PURQUE NÃO TINHA SUBIDA. SEMPRE A GENTE VIA UMA IGREJINHA QUE A GENTE JURAVA QUI ERA A DO BAIRRO ONDE A GENTE MORAVA.
PURQUE ERA IXATAMENTE IGUAL.
MAIS MEU PAI NUNCA DIZIA PRA GENTE SE ERA ELA OU NÃO. 
QUANDO A GENTE CHEGAVA NA PONDIFERRO, A PRIMEIRA COISA QUE A GENTE QUIRIA FAZÊ ERA CUMÊ OS LANCHI QUE MINHA MÃE LEVAVA. A GENTE JÁ CHEGAVA CUM FOMI.
MEU PAI IA PESCA E MINHA MÃE E MEUSIRMÃO IA NADÁ NO RIO. EH QUE TINHA UMAS PEDRA ALI QUE FORMAVA UMAS LAGOA PIQUENA QUI ERA BOA PRA NADÁ.
GERALMENTE NOIS IA NO SÁBADO PRA PONDIFERRO. ERA BÃO DIMAIS.
BÃO, A PONDIFERRO NEM EXISITE MAIS. ELA FOI TIRADA E COLOCADA OUTRA NO LUGAR QUI NEM EH DIFERRO. MAIS O NOME FICÔ. E ATÉ HOJE LÁ SE CONHECI COMO PONDIFERRO. O NOME CACHUERA EH PURCAUSA DAQUELAS PEDRA QUI EU FALEI ONDE A GENTE NADAVA. ERA UMA PIQUENA CACHUERA.
BÃO, INTÃO EH IÇO. EÇE LUGAR TRAIS MUITA LEMBRANÇA BOA DI QUANDO EU ERA PIQUENO AINDA I IA COM MEU PAI E MINHA MÃE PESCA NA PODIFERRO.
ATÉ MAIS VÊ INTÃO. UM DIA DEÇE QUALQUE A GENTE PODE ATÉ INCONTRA NUM LUGAR DE MINAS.
(Texto: Thymonthy Becker)
APAIXONE-SE

VEJA AS MAIS BONITAS HISTÓRIAS QUE ESCREVI PARA AS CRIANÇAS


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CORRENDO VELOZMENTE DO BICHO ESTRANHO

Estava numa estrada comprida e reta, cercada de mato em ambos os lados. Nisto veio um bicho em alta velocidade. Alguém gritou para sair da frente, porque o bicho era muito feroz. Então dei um pulo e ele passou rapidamente. Sai correndo atrás do bicho, tão rápido quanto ele ia. Depois o bicho mudou de direção, vindo correndo atrás de mim. Sai correndo velozmente, mas o bicho estava me alcançando. Então pensei que era só voar que ele não me pegaria. Dei um grande salto e sai voando. Nisto vi o bicho passando logo abaixo de mim. Via só a poeira que ele fazia. O bicho mesmo não via. Fiquei pensando que ainda bem que o tal bicho não voava, senão estaria perdido.

ZIQUINHO, O POLVINHO DIFERENTE

NO FUNDO DE UM MAR BRAVIO, NO PORÃO DE UM NAVIO, QUE NAUFRAGOU POR LÁ.
DONA POLVA ESTÁ CONTENTE, SEU MARIDO IMPACIENTE, POIS SEUS FILHOS VÃO CHEGAR.

NAQUELE MESMO DIA, DURANTE UMA CALMARIA, DE UMA TARDE DE VERÃO.
NASCERAM OS POLVINHOS, QUE CHEGARAM DE MANSINHO, PARA ORGULHO DO PAIZÃO.

NASCERAM OS POLVINHOS, QUASE TODOS IGUAISZINHOS, SE NÃO FOSSE UM DOS IRMÃOS.
ENQUANTO SETE DOS POLVINHOS ERAM TODOS IGUAISZINHOS, UM SÓ ERAM BRANCÃO.

POR SER TÃO DIFERENTE, DERAM-LHE O NOME DE GENTE, ÀQUELE POLVINHO ENGRAÇADO.
POR SER TÃO BRANQUINHO, E BASTANTE MIUDINHO, DE ZIQUINHO FOI CHAMADO.

ENQUANTO TODA TURMINHA, VINHA PELA TARDINHA, E NO NAVIO BRINCAVA.
ZIQUINHO TRISTE SENTADO, SENTINDO-SE REJEITADO, NÃO SE CONFORMAVA.

MAS O SÁBIO PROFESSOR, QUE ENTENDIA TUDO DE COR, ERA UM GRANDE TUBARÃO.
PROCUROU POR ZIQUINHO, E LHE DISSE BEM BAIXINHO, TER ENCONTRADO A SOLUÇÃO.

“ZIQUINHO VOU LHE DIZER TUDO QUE TENS A FAZER, PARA PRETINHO FICAR”
“TOME CUIDADO COM A ARRAIA, NADE ATÉ UMA PRAIA E DEIXE O SOL TE QUE…

PRAIA GRANDE / SÃO PAULO - ESTÂNCIA BALNEÁRIA

SEJA BEM VINDO A CIDADE DE PRAIA GRANDE. IMPORTANTE ESTÂNCIA BALNEÁRIA.  RODOVIA DOS IMIGRANTES DE ACESSO À CIDADE imagem - Wikipédia QUEM NASCE EM PRAIA GRANDE EH: PRAIA-GRANDENSE A CIDADE TEM 262.051 HABITANTES - IBGE 2010 PRAIA GRANDE FAZ ANIVERSÁRIO EM  19 DE JANEIRO E FOI EMANCIPADA EM 1.967 ORIGEM DO NOME O TOPÔNIMO PRAIA GRANDE DECORRE DA EXTENSA PRAIA - CERCA DE 40 QUILÔMETROS - QUE LHE SERVE DE DIVISA TERRITORIAL, E QUE OS PRIMITIVOS HABITANTES JÁ CHAMAVAM DE "PEAÇABUÇU", O PORTO GRANDE. HISTÓRIA A HISTÓRIA DA SUA FORMAÇÃO ESTÁ INTIMAMENTE LIGADA À DE SÃO VICENTE, DA QUAL FOI DISTRITO ATÉ 1966, QUANDO O SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, EXAMINANDO RECURSO EXTRAORDINÁRIO PELA MUNICIPALIDADE DE SÃO VICENTE, DEU GANHO DE CAUSA AO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, CONCEDENDO-LHE AUTONOMIA. ESSA EMANCIPAÇÃO, CONTUDO, FOI FRUTO DE LONGA LUTA, INICIADA NO BAIRRO DE SOLEMAR, EM 1953, POR JÚLIO SECCO DE CARVALHO, SUSTENTADA MAIS TARDE POR OSWALDO TOSCHI, POR NESTOR FERREIRA DA ROCHA, E SEGUIDA POR C…